“Arte e Cultura” em debate na FCSH

No âmbito do ciclo de conferências “Revolução e Democracia”, decorre, amanhã, 24 de Junho, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (auditório I), entre as 18h e as 19h30, a conferência “Arte e Cultura”, que conta com a participação do cineasta António Pedro Vasconcelos e o escritor e político Manuel Alegre.

A entrada é livre. Mais informações aqui.

 

Conclusões e recomendações do relatório “Criação de Instrumentos Financeiros para Financiamento do Investimento na Cultura, Património e Indústrias Culturais e Criativas”

Foi apresentado hoje mais um relatório inserido na iniciativa Cultura 2020. Intitula-se ”Criação de Instrumentos Financeiros para Financiamento do Investimento na Cultura, Património e Indústrias Culturais e Criativas” e está disponível aqui.

Algumas conclusões retiradas do relatório:

  • do total de 6.112 milhões de euros anuais injetados, em média, na área da Cultura para o triénio em causa (2010-2012), são as indústrias culturais (2.622 milhões de euros/ ano) e as indústrias criativas (2.458 milhões de euros/ano) as maiores recetoras de fundos, concentrando 43% e 40% do montante global. Por seu turno, o domínio “património cultural” apresentou um financiamento médio de 629 milhões de euros (10% do total), sendo que o domínio “criação artística” recebeu cerca de 403 milhões de euros anuais;
  • os financiamentos atribuídos pelos serviços da área da Cultura, no período em análise (2010-2012), concentram-se na Direção-Geral das Artes (cerca de 16 milhões de euros anuais, em média), no Instituto do Cinema e do Audiovisual (cerca de 20 milhões de euros) e no Fundo de Fomento Cultural (aproximadamente 25 milhões de euros);
  • a “criação artística” foi principalmente financiada pelo mercado durante o período em análise (2010-2012), representando este cerca de 73% do valor global;
  • o património cultural, por oposição aos restantes domínios que se financiaram sobretudo no mercado, revelou uma elevada dependência do financiamento público, que suportou cerca de 85% do valor total do seu financiamento médio anual no período em análise (2010-2012);

Algumas recomendações:

  • criação de instrumentos financeiros para financiamento do investimento na cultura, património e indústrias culturais e criativas, tendo especialmente em atenção que as necessidades e prioridades de financiamento nestas atividades não são suscetíveis de plena e adequada satisfação através das modalidades e disponibilidades financeiras atuais e previsíveis para o futuro – que justificam, em particular na atual envolvente, a mobilização de financiamentos reembolsáveis de iniciativa pública, alavancados por outros recursos, designadamente privados;
  • nenhum domínio ou subdomínio das atividades artísticas e culturais deve ser à partida excluído da aplicação de eventuais instrumentos financeiros a criar;
  • os novos instrumentos financeiros devem incorporar, nas suas caraterísticas e modelos de governança, a flexibilidade e adaptabilidade adequadas para satisfazer especificidades dos promotores e dos investimentos.

87 exemplos de inovação na cultura

A Zinc Shower – uma convocatória anual de projetos nas áreas das indústrias culturais e criativas – já seleccionou os 87 mais inovadores de 2013 dos 17 sectores contemplados (das artes plásticas ao design, passando pelo turismo cultural e pela gastronomia). São bons exemplos de intersecção entre a cultura, a tecnologia e a criatividade. Estão todos aqui.

Google lança galeria de mapas interactivos temáticos

O Google lançou uma galeria de mapas interactivos muito, muito interessante, baseados em dados fornecidos por várias instituições mundiais. Desde a evolução da temperatura média entre 1951 e 1980 à taxa de desemprego nos países da União Europeia, os 122 mapas apresentam dados enquadrados em 10 categorias: “Ambiente”, “Crise”, “Cultura e Sociedade”, “Espaço”, “História”, “Imagens”, “Infra-estruturas”, “Limites administrativos”, “Lugares” e “Lazer”.

Primeiro número do “The Journal of Media Innovations”

Numa altura em que se fala cada vez mais no conceito de “inovação” no contexto dos media, vale a pena percorrer o número inaugural do “The Journal of Media Innovations“.

A propósito da inovação, é usual confundir o termo com criatividade. Charles Landry e Franco Bianchini explicam de forma muito simples no seu livro “The Creative City” (1994) a diferença entre os dois conceitos: enquanto a criatividade corresponde ao processo que resulta em novas ideias, a inovação corresponde precisamente ao processo através do qual essas novas ideias são implementadas. Neste sentido, a criatividade precede a inovação e é esta que, mediante a avaliação da ideia criativa, fará a diferença no desenvolvimento do produto.

 

 

O peso do sector cultural e criativo em Portugal e na Europa

Dois recentes estudos contrariam a ideia, infelizmente ainda generalizada em Portugal, de que as indústrias culturais e criativas são pouco rentáveis: “A cultura e a criatividade na internacionalização da economia portuguesa – relatório final”, da autoria de Augusto Mateus & Associados e promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, e “Survey on access to finance for cultural and creative sectors – evaluate the financial gap of diferente cultural and creative sectors to support the impact assessment of the creative Europe programme”, preparado pela IDEA e Ecorys para a Comissão Europeia.

A propósito de ambos, sugiro as seguintes leituras:

Music Timeline – a popularidade dos géneros musicais ao longo de 50 anos

O mais recente projecto de visualização de dados da Google Research, o Music Timeline, apresenta a popularidade dos géneros musicais entre 1950 e 2010. Os dados provêm, sobretudo, do Google Play Music, pelo que o mais interessante é mesmo explorar, de forma interactiva, alguns subgéneros musicais menos conhecidos e as bandas ou músicos que lhes estão associados.

“Journalism Grants” – novo site do EJC

O European Journalism Centre lançou o site “Journalism Grants“, no qual é possível conhecer os projectos jornalísticos financiados pela organização (bem interessantes) e submeter candidaturas a financiamento. Os jornalistas portugueses só podem candidatar-se se o projecto for concebido num dos idiomas permitidos ou em parceria com um dos países elegíveis.

Melhores narrativas multimédia de 2013 (áreas de cultura e interesse cultural) – a minha lista

A minha lista com o melhor do multimedia storytelling 2013 na área da cultura ou interesse cultural, pelo bom uso de elementos multimédia, pela abordagem criativa ou pela estória (ou outros critérios nada científicos e imparciais).

 

Peças longas / “packages”

Station to Station (Wired)

Forging an Art Market in China (New York Times)

MGMT (Pitchfork)

Too young to wed (UNFPA)

Medio siglo con los Beatles (El País)

 Invisible Child (New York Times)

Russia Left Behind (New York Times)

His Saving Grace (Chicago Tribune)

Wrappers Delight (The Telegraph)

Filhos do Vento (Público)

Beyond 7 billion (Los Angeles Times)

The spirit of storytelling (Narrative.ly)

 

Peças curtas (suportadas em roteiros ou timelines)

Chef´s secrets (The Guardian)

Wham Bam Glam (The Guardian)

Raakt de chocolade op? (de Volkskrant)

Streetstories (The Guardian – app)

 The view from the Shard (The Guardian)

 

Suportadas na interacção com os utilizadores

Your TV pitches reviewed (The Guardian)

Le Pariteur (France TV)

 Food game (The Guardian)

 

Suportadas em visualização de dados e infografias

The Art Market for Dummies (Quoi?)

Every noice at once (Glenn McDonald)

Reshaping New York (New York Times)

Here is today (Whitevinyl)

Constellations of Directors and their Stars (New York Times)

 

Suportadas em documentários interactivos

Planet Money Makes a T-Shirt (npr)

Daddab Stories (FilmAid)

Casa do Vapor (Público)

 

 

Curso online gratuito sobre jornalismo de dados

O European Journalism Centre está a aceitar inscrições para o curso online gratuito sobre jornalismo de dados – “Doing Journalism with Data: First Steps, Skills and Tools” – a começar no início de 2014. Paul Bradshaw, Steve Doig, Alberto Cairo, Nicolas Kayser-Bril e Simon Rogers são os formadores (de peso) dos cinco módulos.

 

 

O jornalismo cultural de Antón Castro, Prémio Nacional de Periodismo Cultural 2013

“El periodismo cultural es una aventura apasionante y plural. Aborda la materia sensible del esfuerzo, de la creación y el sueño. Informa, invita al debate, descubre volcanes, enciende faros y, fruto de la investigación y del compromiso, denuncia, hunde los dedos aquí y allá en la llaga.”

(…)

“La cultura no es más necesaria, ni menos, que antes. Es imprescindible siempre. Está en el núcleo indeleble de la sociedad. Forma parte de lo que somos. Se hace visible e invisible en las pequeñas cosas. Y nuestro oficio enseña a mirar y a percibir, a ser más lúcido, descubre trayectorias, industrias, criaturas, revela día a día los caminos del corazón. Esa tarea de aproximación, de recuento y de crítica hay que hacerla con el máximo respeto, con la mayor intensidad, con bagaje, con todo el amor posible, con paciencia y delectación, sin narcisismo y sin contemplaciones cuando es preciso, con la tenacidad de quien emprende una carrera de fondo que quizá sea inacabable pero que tiene continuos puntos de llegada. “

Antón Castro, que arrecadou há poucos dias o Prémio Nacional de Periodismo Cultural 2013 (em Espanha), escreve aqui sobre a sua trajectória e a forma como vê hoje o jornalismo, o jornalismo cultural e a cultura.

105 recursos para jornalistas

Há muitas listas por aí, mas esta compilação de sites e blogues sobre jornalismo em geral, digital storytelling, media interactivos, vídeo e fotografia parece-me muita boa (a maior parte deles já vive no meu feedly).

E-book “Journalism: New Challenges”

Editado por Karen Fowler-Watt e Stuart Allan, da Universidade de Bournemouth (Reuno Unido), o e-book “Journalism: New Challenges” aborda, em 23 artigos (são 523 páginas) alguns dos desafios que o jornalismo enfrenta hoje, desde o impacto do digital à necessidade de uma perspectiva empreendedora. E o download é gratuito.

Prémios ÑH para Jornal de Leiria e “i”

Já são conhecidos os vencedores dos prémios ÑH 2013, promovidos pela Society for News Design, que reconhecem as publicações periódicas com o melhor design editorial na península ibérica.

O jornal português “i” foi o vencedor na categoria de jornais diários com tiragem superior a 50 mil exemplares e arrecadou também o prémio para melhor capa (5 de Dezembro de 2012); o Jornal de Leiria foi considerado o melhor jornal diário, na categoria de jornais com menos de 15 mil exemplares; o publico.pt venceu na categoria de sites; a “Esquire” espanhola arrecadou o primeiro prémio na categoria de revistas e uma das capas da  revista madrilena “Metropoli” (12 de Outubro de 2012), foi considerada a melhor do ano.

After the Asylum

O projecto multimédia After the Asylum retrata a vida de três ex-doentes psiquiátricos que regressaram à sua comunidade depois de estadias em asilos psiquiátricos, numa altura em que o último estabelecimento deste tipo irá fechar, na Irlanda, daqui a 18 meses. O projecto, promovido pelo The Irish Times e co-financiado pelo Mary Raftery Journalism Fund, visa alertar a opinião pública para o estado dos serviços psiquiátricos irlandeses.

Hollow – um documentário interactivo

Hollow – um documentário interactivo

Hollow é um exemplo muito, muito bom, da introdução de vídeo, imagem, música e texto num documentário interactivo online sobre McDowell County, um condado de West Virginia, que perdeu 80% da sua população (Mais…)

Curso de Jornalismo Narrativo na FCSH-UNL

Tem início na próxima segunda-feira, dia 1 de Julho, o curso “Storytelling no Jornalismo: construção de ‘estórias’ no jornalismo narrativo e novas possibilidades em ambiente digital”, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. O curso tem como objectivo (Mais…)

14 start-ups jornalísticas no espaço ibero-americano

Ainda no “rescaldo” do 6.º Colóquio Ibero-Americano de Jornalismo Digital (já decorreu há algum tempo, mas só agora me estou a debruçar sobre os resumos), partilho 14 start-ups jornalísticas digitais que foram apresentadas no evento como exemplos com algum elemento de inovação (no modelo de negócio ou editorial).

1. Revista Anfibia (Argentina) (Mais…)

Mais uma narrativa multimédia excepcional do The Guardian: Firestorm

Mais uma narrativa multimédia excepcional do The Guardian: Firestorm

A nova narrativa multimédia do The Guardian, intitulada “Firestorm“, é um exemplo do que RESULTA: um interface intituitivo, a integração consistente dos elementos multimédia, da infografia ao vídeo, do texto ao som puro, as descrições textuais perfeitamente enquadradas no ambiente e, claro, uma boa estória.